domingo, 7 de novembro de 2010

Resenha - Psychology, a graphic guide to your mind and behaviour

Costumo me interessar por materiais que passem conteúdo de forma didática, e nessa linha, os livros feitos em estilo de história em quadrinhos, com desenhos, piadas, gráficos, me chamam a atenção. Adquiri o livro Psychology, A graphic guide to your mind and behaviour, de Nigel C. Benson, por curiosidade e em busca de um livro pequeno e simples que provesse uma noção geral do que é a psicologia.


O livro faz parte da coleção "Introducing", que tem o objetivo de introduzir grandes temas ou áreas de conhecimento de forma didática. Alguns outros títulos da série são "Post-modernism", "Phisolophy", "Logic", "Ethics", "Freud" e "Mind & Brain", esse último me interessa bastante, mas não encontrei para comprar. O livro é pequeno tanto em altura e largura, quanto em número de páginas, fácil de carregar e de ler.




A primeira página começa com a questão central, "What is psychology?", e coloca as várias definições postas ao longo do tempo. Todas as páginas contém ilustrações, muitas são de figuras destacadas no campo, como Freud e Skinner. O livro tem um tom de graça, quando possível, faz uma piada ou coloca a informação de modo engraçado. Isso não faz com que perca o conteúdo, pelo contrário, a meu ver torna a absorção mais fácil e duradoura. Um ponto forte é que há uma tentativa de dar voz às mais variadas teorias dentro da psicologia, justamente mostrando a variedade e amplitude da área, em que nenhuma está com toda a razão, e nenhuma com nenhuma razão.


A quem o livro pode interessar? A princípio, leigos curiosos podem tirar bastante proveito, porque a linguagem é simples, e toca em dúvidas que as pessoas em geral têm, como qual a diferença entre psicologia e psiquiatria, qual a metodologia usada nos experimentos, e introduz as teorias de Freud, de Skinner, da Gestalt. Porém, apesar de o livro parecer "pequeno", creio que alunos de psicologia também se beneficiariam bastante. Normalmente na faculdade temos várias matérias, cada uma de uma linha teórica, mas dificilmente temos uma visão ampla de tudo, em que fique clara a história das ideias, tanto em linha temporal quanto no impacto e aceitação em cada momento.


Li o livro após ter me formado, e confesso que ele me ajudou a organizar algumas coisas que estavam soltas na minha cabeça, dando sentido para teorias e/ou autores que pareciam dispersos. Claro que não se trata de uma super reflexão complexa, contudo como ponto de partida cumpre seu papel. Talvez seja interessante para alunos de primeiro ano, ávidos por uma visão mais ampla que os ajude a entender o que é aquele campo de conhecimento, afinal. Algumas questões que estamos sempre discutindo no curso, como se psicologia é ciência, qual o papel da genética no comportamento humano, a utilidade dos testde de QI, etc, são abordados.


Claro que não se pode ter uma visão ingênua e achar que o livro é neutro e conta a história de uma maneira que seria a única possível. O autor tem seus vieses, como qualquer um, e ainda que seja visível o esforço para dar espaço para as mais diversas teorias, a forma como ele organiza, nos conta as coisas, diz algo sobre o que ele pensa ser a psicologia. Outros autores fariam diferente, o que não invalida nem a sua forma de contar nem a de outros. Mais abertamente, percebi um claro viés contra o que o autor chama de perspectiva bio-psicológica, na página 115 ele escreve: "Although not a School, it has a strong tendency towards a reductionist approach - reducing behaviour to its neuronal and biochemical elements. To most bio-pshycologists, the mind and counsciouness are simply the activities of the brain. (...)".


Primeiro que ele utiliza o termo reducionismo sem explicá-lo, o que passa a impressão de que ele quer deixar a interpretação popular sem modificação, a de que o reducionismo é reduzir de modo a perder, a deixar de lado, de modo danoso. De fato, o reducionismo é uma estratégia muito utilizada em ciência, que consiste em fazer um recorte, realmente diminuir o objeto de análise, para que ele possa ser estudado. O reducionismo, porém, não significa, necessariamente, que esse corte é feito de modo danoso, já que os pesquisadores costumam ter em mente que aquele é um recorte, e não o fenômeno em si, e fazem os devidos ajustes ao falar do fenômeno real. O reducionismo é necessário ao se estudar muitos fenômenos, e, em si, não é ruim, pode ser ruim se tomado como o fenômeno em si, mas não é o habitual.


O modo como ele utiliza a palavra "simplesmente" deixa passar que ele discorda fortemente dessa abordagem, que para ele parece ser uma tentativa de explicar tudo, o comportamento, a mente, a consciência, através de sinapses e neurotransmissores. Tenho que concordar com ele que muitos pesquisadores têm levado adiante essa ideia, numa obsessão em encontrar no hardware, o cérebro, a explicação para tudo. Porém, extremistas podem ser encontrados em qualquer abordagem, não sendo privilégio de nenhuma em particular. O que considerei inadequado por parte do autor foi a crítica mordaz a essa abordagem, demonstrando claro preconceito, pegando um mau uso que pode ser cometido em qualquer linha, e tomando como se fosse a regra. Fora isso, em poucas outras passagens encontrei tal viés pessoal tão explícito. Ou o viés estava lá, e eu não o percebi por ter o mesmo viés... (isso pode acontecer!).


Portanto, tendo em mente que o livro é feito por um autor, que tem seu próprio modo de passar a informação, com suas ideias, vieses, fraquezas etc., e que não é a verdade absoluta, creio que se trata de um bom guia para uma visão geral da psicologia. Tanto leigos quanto estudantes de psicologia podem se beneficiar. O livro é engraçado, gostoso de ler, e nos faz pensar, o que considero qualidades destacáveis.




Benson, N.C. (2007) Psychology: a graphic guide to your mind and behaviour. Icon Books.

9 comentários:

Daniel F. Gontijo disse...

Bacana, colega, parece ser um bom-livro-para-as-férias!

Um abraço.

Cristina Veríssimo disse...

Olá!
O livro parece realmente interessante, principalmente depois de sua análise.
Adicionei você ao meu blog, pois me interessei aos seus temas.
Eu falo sobre Gestalt-terapia, caso se interesse:
http://gestaltemfigura.blogspot.com/

Um abraço e parabéns pelo trabalho!

biian souza. disse...

awwn *---*

Visite meu blog, e comente se puder/quiser.
Sua opinião é importante.

www.biiansouza.blogspot.com

e se quiser também, visite
www.lollity.blogspot.com

Claudio Vieira disse...

Livro interessante. Vou ver se consigo ter acesso a ele. Também me graduei em Psicologia, mas em Portugal :) No seu blog tem temas comuns à minha area (psicologia evolucionista). Se tiver interessada, visite:

http://estranhoquotidiano.blogspot.com

Pedro Paulo disse...

Muito interessante.
Gostaria de convidar a todos a
conhecerem meu blog de Psicologia
http://jornalpsiconoticias.blogspot.com/

Karina Alecrim Bessa disse...

Olá!
Gostei muito de seu blog e da diversidade de temas. Sou sua mais nova seguidora e gostaria de convidá-la a visitar meu blog MUNDO PSI:
www.karinabessamundopsi.blogspot.com

Feliz 2011!!!

Karina.

Fernanda disse...

isabella, meu nome é fernanda, sou jornalista e gostaria de fazer uma entrevista com você. por favor, entre em contato comigo no fernanda.cirenza@diariosp.com.br
Obrigada.

Jessé disse...

O livro parece ser bem interessante mesmo. Ele só está disponível em inglês ou possui uma versão em português também?

Isabella Bertelli disse...

Olá Jessé, o livro só está disponível em inglês, pelo que eu saiba. Abraços.